quinta-feira, 9 de junho de 2016

Andrzej Wajda: nacionalistas na Polônia dizem NÃO

Andrzej Wajda
"O verdadeiro cinema nacional não tem medo dos outros", diz Andrzej Wajda, cujos filmes representam uma viagem através de nossa história, muitas vezes, difícil e doloroso, mas como ele mesmo diz, está se abusando do conceito de nação, e se apropriando dele, nos dias de hoje.

"Colocamos pra fora, no meu ponto de vista, sempre a pior solução, ou seja, a nacionalidade. Encerramo-la em sua própria caldeira, cozinhando-a, odiando-nos uns aos outro e a si mesmos e não admitindo a realidade em que se está inserido no mundo. O mundo não existe para nós na totalidade, apenas em alguns pontos".

Como diz Wajda, a tarefa do artista não é favorecer a alguém ou a alguma coisa, ou a consciência dos outros. Foi isto, o que ele percebeu de si mesmo. Sua obra é um cinema com rosto humano, de pleno respeito pela tradição polaca, em história e cultura. Capaz de fazer perguntas, embora difíceis e corajosas. Um cinema que mostra o que é a liberdade, mas também mostra que isso, não é uma dádiva para sempre.

Andrzej Wajda, o diretor que concebeu as obras-primas da Polônia e do cinema mundial, como "Ziemia obiecana” (A Terra Prometida), "Popiół i diament"(Cinzas e Diamantes) e "Człowiek z żelaza" (Homem de Ferro), em uma conversa não só sobre estas coisas - que se algo é polaco é nacional - não possa ser também absolutamente, europeu.

Paweł Piotrowicz: O senhor se sente um diretor nacional?

Andrzej Wajda: Sim, eu acho que eu sou um, mas hoje este um termo que já foi apropriado pelos nacionalistas.

Piotrowicz: Seus filmes são, sem dúvida, considerados como bons nacionalistas. Não só porque o cinema criado pelo senhor, é uma viagem através de nossa história, mas porque, muitas vezes, essa é uma tarefa difícil, dolorosa.

WAJDA: Lembro-me do conceito de cinema nacional no lançamento do general Moczar. Claro que eu sabia quem ele era e quem eram os que o cercavam - as pessoas no serviço do sistema soviético. E eu não precisava saber nada mais do que isso.

Piotrowicz: Discussão recente sobre cinema nacional foi revivida e com força redobrada. Ouve-se, mesmo, que ela deve ser prioritária em nosso cinema, dedicando-se a ele algumas medidas especiais. Enquanto isso, falando com diferentes pessoas sobre cinema, a impressão é que muitos não são plenamente capazes de responder precisamente sobre a questão do que realmente seja cinema nacional.

WAJDA: Não é tão difícil. A batalha do cinema, entre aspas, nacional, teve lugar na história do cinema em várias ocasiões. A Polônia Popular foi amada num certo cinema. E muito mais amado foi o general Moczar, com um grupo de artistas que se reuniu em torno dele. Eles nos ensinaram o que era patriotismo, como procurar e como fazer filmes patrióticos. Só que seu "patriotismo" tinha como caráter idolatrar a PRL (República Popular da Polônia), que sucedeu a Polônia depois de 1945, enquanto o nosso patriotismo fluía de nossa experiência de vida.

Piotrowicz: A experiência da Segunda Guerra Mundial?

WAJDA: Minha experiência de vida alcança, ainda na Polônia pré-guerra o nacionalismo, o antissemitismo. Tal foi o caos que seguiu ao setembro de 1939, com aquela fuga do Estado e tal, em que nosso comandante-em-chefe se encontrava no estrangeiro, e o exército não sabia como se manter, porque não havia nenhuma decisão. Eu não podia compreender aquela situação. Entendia que o nacionalista, na Polônia, dizia NÃO. Aquilo foi para mim, então, um menino de treze anos, bastante óbvio. E até hoje continua a ser uma experiência dolorosa da minha vida.

Piotrowicz: Já na década de 50, Gombrowicz escreveu que era necessário "superar a polonidade", "afrouxar nossa submissão a Polônia". Ele comparava a nação à violência coletiva, antes do "nos defender".

WAJDA: A palavra "nação" está sendo muito abusada. Polonidade ... ou seja, o verdadeiro polaco tem que aceitar acriticamente tudo o que autoridade de ocasião considere justo e inviolável. Também, antes da guerra nada nos ajudou apelar, que não daríamos um botão de nosso uniforme, porque afinal não só demos o botão e o uniforme, como demos tudo. Eu não estou falando sobre a falta de patriotismo daqueles que lutaram. Todos como meu pai, um oficial, foram para o "front" lutar.

Piotrowicz: Em "Lotnej” (volátil), o senhor mostrou uma cena carregada e muito comovente da cavalaria polaca contra tanques alemães, durante a campanha de setembro.

WAJDA: Eu usei uma metáfora. Falavam na Polônia, que os sabres contra os tanques não poderiam ganhar. Criei tal imagem não para isto, para se rir daquilo, e sim para dizer como a nossa pátria pode ao se encontrar em uma situação em que não haja saída. Ao mesmo que tempo, nós os polacos, não podemos nos culpar. Em cada situação há pessoas corajosas, ousadas, e prontas para defender a pátria. A luta é a única prova de que nós não concordamos sobre uma realidade particular. Discordei tanto durante a ocupação, assim como nos tempos da República Popular da Polônia - apenas durante a PRL - completamente sob outra circunstância, em oposição ao sistema soviético, em sua área de atuação.

Piotrowicz: O cinema polaco depois da guerra, embora tenha sido criado durante a era soviética, conquistou um monte de triunfos em todo o mundo - suficiente dizer sobre três filmes seus, que receberam indicações ao Oscar na categoria de não-Inglês: "Ziemia Obiecana" (Terra Prometida), "Pannach z Wilka” (Jovens de Wilko) e "Człowiek z Żelaza" (Homem de ferro). Em que consistia sua maior força?

WAJDA: Nisso! Que nós falamos a linguagem do cinema europeu. Utilizamos principalmente a imagem, e não apenas o diálogo, já que ninguém conhecia o idioma polaco.
O cinema polaco depois de 1945 rompeu completamente com o pré-guerra, que era bastante comercial: "Co mój mąż robi w nocy” (O que meu marido faz à noite), "Pani minister tańczy” (Senhora ministro dança), e outros filmes assim como esses.
Começamos do novo. Em primeiro lugar, tivemos um tema: a guerra. Que guerra? Não é assim, em geral, apenas aquilo, que nós vivemos. De outro modo, sobreviveu à guerra Wanda Jakubowska e Aleksander Ford, ou seja, heróis em "Kanal" (Canal) ou "Popiół i diament" (Cinzas e Diamantes). Mas nada disso teria acontecido se o idioma desses filmes não tivesse sido a linguagem do cinema europeu. Se fosse um cinema criado com o pressuposto de que falávamos apenas para nós mesmos, compreensível apenas para nós ... os pobres, injustiçados polacos.

Piotrowicz: Então, o que deve ser um cinema nacional?

WAJDA: o verdadeiro cinema nacional não tem medo de outros - outros públicos, outras avaliações. Alguém ameaçou o neo-realista cinema italiano? Não. O mundo assistiu esses filmes, porque não havia tal cinema antes. Assistindo "Roma - Cidade Aberta" ou "Ladrões de Bicicleta" sobrevivemos àquele brilho. Era um mundo desconhecido, antes ausente na tela. E logo em outro momento apareceu a cinematografia nacional. Fundaram a Nouvelle Vague francesa, completamente uma outra proposta de gênero de cinema, de outro tempo, de um outro mundo.

Piotrowicz: Seu primeiro filme, "Pokolenie" (Geração), falou sobre o trágico destino dos jovens durante a ocupação, navegou é claro com fascínio pelo neo-realismo italiano, mas o seguinte, "Kanal" (Canal), iniciou a "escola do cinema polaco". E levantou considerável controvérsia com seu pessimismo.

WAJDA: Porque não havia nenhum equivalente na Polônia. Não houve filme com uma imagem daquela, antes da guerra, apenas "Zakazane piosenki” (Canções Proibidas). É claro os espectadores na Polônia preferiam ver um filme sobre isto, como os meninos estiveram lutando nas barricadas, mas infelizmente isso não era o mais importante na Revolta de Varsóvia. Mais importante foi sua derrota. E esta derrota tinha o que mostrar. Esta tentativa de escapar do gueto com a criação de canais, que se tornaram o símbolo deste desastre, foi um objeto sem precedentes no cinema polaco.

Piotrowicz: Especialmente trágico em termos das últimas cenas.

WAJDA: Mostrada, como aparece atrás das grades, onde Stokrotka e Korab chegam... Vemos um rio cinza, e sobre ele, na margem direita, edificações. Contudo, os espectadores, em 1956, que assistiram bem o filme, viram quem estava em pé, lá do outro lado. Lá, estava em pé, Stalin, que não ajudou os insurgentes, e que ficou aguardando eles morrerem. Foi suficiente, não precisava quaisquer palavras, qualquer comentário adicional.
Outra coisa, era preciso responder à pergunta, se o comandante polaco, dando ordens para o Levante, tinha qualquer base para acreditar na vitória. Descobriu-se que ele não tinha. A decisão de lançar a revolta não foi planejada sob qualquer visão política ou militar. Fala sobre isso Jan Nowak-Jeziorański, no filme "60 lat później" (60 anos depois), que fiz em 2005 [o título completo é "Jan Nowak-Jeziorański. Carteiro de Varsóvia. 60 anos depois, 1944-2004 ]"

Piotrowicz: Qual é o maior pecado do nacionalismo, que, como o senhor diz, está de volta hoje?

WAJDA: Nacionalismo é algo contra quaisquer interesses polacos. Nosso negócio e, ao mesmo tempo, nosso destino é estar na Europa, não ter medo dela. Por que estamos nesta Europa? Porque o cristianismo veio da Europa e com ele a civilização. Nós nos tornamos um país europeu. Qualquer tentativa de condenar a União Europeia, criticar o que está acontecendo com a gente, é uma tentativa de minar o status quo. Nós somos europeus.

Piotrowicz: Para o senhor, polonidade é claramente, Europeidade?

WAJDA: Para mim, polonidade é estar ciente da situação em que vivemos, e o efeito que esta ação possa se transformar em nosso favor, e não tenha se tornado um desastre, proporcionando aos polacos que sejam capazes de defender sua pátria na morte e na vida, e isso apenas em tempos de guerra. E sobre isso ainda sabemos. Mas temos que ter um sentido político. Precisamos entender a situação em que nos encontramos, e agir no âmbito deste momento.
Desde 1989, somos um país livre. Mas devemos lembrar que, na Polônia Popular, não soberana, embora escravizados, surgiram universidades do mais alto nível, foram lançados livros, que não eram apenas de literatura marxista. Nós publicamos literatura polaca e mundial, nós fizemos progresso em vários campos. Grupos de oposição foram organizados, como o Comitê de Defesa dos Trabalhadores.
Passo a passo se aproximou o momento, que culminou com a greve no estaleiro Gdańsk e a assinatura dos acordos de agosto. E esta greve, vamos ser honestos, inicialmente tinha caráter de folha de pagamento. Os trabalhadores se rebelaram porque eles queriam mais dinheiro. E foram os intelectuais que conseguiram combinar a vontade dos construtores de navios com o que era uma questão de toda a nação. Mais tarde, o combate ao comunismo foi a mais difícil e mais brilhante questão polaca conduzida, e por esta razão, saímos dela vitoriosos, e sem derramamento de sangue. É por isso que coloquei Lech Wałęsa nisto, e não em outro lugar da nossa história, como um personagem totalmente original.

Piotrowicz: O que senhor que fez, que foi diretor do filme "Wałęsa - Homem de Esperança", pensa sobre as acusações sobre o suposto passado dele como agente infiltrado do serviço secreto soviético?

WAJDA: Isto é fabricado, de plena consciência. Alguém quer perante a vitória do Solidariedade, tentar nos convencer que pessoas, que não desempenharam qualquer papel, em seguida, tenham tido um papel decisivo. Eu estava lá, vi esses eventos, tinha junto comigo uma câmera. Se eles estavam lá quando filmei aquela realidade, os teria notado, ou muito provavelmente, os teria nas imagens. De alguma forma, contudo, não os vi lá.

Piotrowicz: Qual dos seus filmes, o senhor consideraria o mais importante?

WAJDA: Para mim, o filme que desempenhou um papel importante, com certeza, foi o "Człowiek z Marmuru" (Homem de Mármore). Não havia um roteiro anterior, nem tema, não havia também qualquer herói. Este foi um dos únicos filmes, pelo menos, que não pôde ser mostrado, na época, em outros países ditos soviéticos.
Mas porque nossa consciência, como cineasta, era muito desenvolvida, éramos bem organizados na Associação de Cineastas Polacos e saíamos juntos, passo a passo, movendo-nos no limite do que podia ser mostrado na tela. É claro, que o roteiro Ścibor-Rilski também tivesse sido escrito vários anos antes, por isso, precisamos esperar pela transformação política, que deu a possibilidade de fazer o filme, assim como foi com vários outros.
Passo a passo expandimos a liberdade. E quando houve uma greve no Estaleiro de Gdańsk, na sala havia câmeras da Associação de Cineastas Polacos, graças a isso, pode-se, então, fazer o filme "Robotnicy ’80” (Trabalhadores '80). E por que "Trabalhadores '80"? Porque mais cedo, Krzysztof Kieślowski tinha feito "Trabalhadores '70". Assim foi como quê, uma continuação natural, como parte do nosso cinema.
Cheguei no lugar e ouvi de um trabalhador do estaleiro: "Que você possa fazer um filme sobre nós!". E assim surgiu "Homem de Ferro", na determinação de um homem, de um trabalhador do estaleiro, a Cinematografia estava pronta para participar naqueles eventos importantes.

Piotrowicz: E se o senhor pudesse indicar nas suas obras cinematográficas o filme mais nacionalista deles todos? Mesmo que tenha consciência das armadilhas que advenham deste termo.

WAJDA: Aponto para este filme, que é um tipo de sensação, e que a comunidade cinematográfica polaca recentemente reconheceu como o mais importante de nossa produção de filmes do pós-guerra. "Terra Prometida".
Perguntei-me o porquê desta escolha, porque não tive nenhuma ação sobre a escolha.
Eles contaram os votos, de modo que os cineastas decidiram sozinhos o resultado. Mas porque o considero, assim como você perguntou, o mais "nacionalista"?
Parece-me que este filme é patriótico entre aspas. Ele mostra que os polacos estavam indo na direção certa. Não podia ser que outros tivessem uma fábrica, e nós não. Temos pessoas ambiciosas, empreendedoras. Se eles não tiveram sucesso na primeira, segunda ou terceira vez, no final, alcançaram sucesso. É a crença de que tudo é possível. Três meninos, um polaco, um judeu na Alemanha, queriam ter a fábrica de seu tempo, era a prova de que pertencíamos a Europa.

Piotrowicz: Depois de vinte e sete anos, podemos dizer que estamos ainda testando a democracia? O que o senhor sente quando ouve da boca de alguns políticos, por exemplo, que o filme "Ida" não deveria ter ganho o Oscar, porque segundo eles, não promove o polaco, e de fato, coloca o país sob uma luz muito ruim?

WAJDA: E o que significa isso: uma luz ruim? O filme de Paweł Pawlikowski mostra-nos a história verdadeira e é um grande filme. Devemos estar orgulhosos do Oscar. Meu filme "Popioły" (Cinzas) foi muito criticado. Desceram acusações,  como se fosse possível, mostrar soldados na tela polaca, disparando contra insurgentes espanhóis. "O que é semelhante?", eu ouvi. Respondi no ato: "Um instante, misture Sienkiewicz com Żeromski".
Sienkiewicz desempenhou um outro papel e Żeromski queria mostrar o que significava buscar e acreditar na existência de alguém que iria nos ajudar a recuperar a independência. Este alguém foi Napoleão. E demos a Napoleão tudo, incluindo nossa honra. O que ganhamos? Uma história distinta.
Mas nessa situação sem esperança, assim, tão clara, apresentava-se nossa crença. Por que não mostrar? Se alguém sente bons propósitos para com a nação, então sabe, como se comete um erro, e precisa-se entender isso, e não fingir que nada aconteceu, ou negar. Não há justa causa, em que a mentira possa ajudar. Nem a magia de que a Polônia é um país escolhido pelas forças superiores para propósitos específicos.

Piotrowicz: Mickiewicz um pouco, entre aspas, não nos envenenou popularizando esta ideia do messianismo polaco como sendo o Cristo da Europa?

WAJDA: Sim, mas permita-me senhor  escolher do Teatro Nacional, atores que leiam "Pan Tadeusz" inteiro, e que o público jovem se ria - sim, isto é ridículo. Por quê? Porque este cântico de Mickiewicz mostra todos os defeitos dos polacos, todo nosso ridículo e incompetência.
Que "a nobreza no cavalo monta, e eu com filhos na cabeça, de alguma forma, isto será." Este poderia ser o lema de todo o poema, "de alguma forma, isto será." Estamos prontos, sentamos no cavalo. Bem, mas em que situação? Quem está conosco? Contra quem se apresentamos? Então, quais são vossas chances e o que se pode dar para a Polônia? Primeiro é preciso fazer esta pergunta, de fato se é um patriota? A essência do patriotismo são os Estados Unidos. O que devia ser uma força dos recém-chegados, muitas vezes fugitivos, que vinham dos mais diversos países, neste lugar livre, que era a América, foram capazes naquele país de criar uma sociedade mais organizada. Por que digo isso? Porque os americanos deram tal exemplo, que poucas pessoas têm o direito de fazer filmes patrióticos. Mas espere um minuto, quem matou os índios? Evidente que eles. E apesar disso, fizeram sobre este tema um monte de filmes. E eles dizem para si mesmos: "Bem, nós temos tantas vitórias fantásticas na lista, que podemos esquecê-la." Bem, não. Todo pecado é o mesmo. E pode-se contentar com ele, ou fingir que não é. Tal como acontece conosco, em que, tudo que é ruim, não somos nós.

Piotrowicz: Depois de vinte e sete anos, podemos dizer que ainda estamos testando a democracia?

WAJDA: Democracia é um sistema muito difícil, mas não há melhor. Passamos por todos os eventos, primeiro foi a longa luta contra a PRL que, eventualmente, ganhamos. O Solidariedade desempenhou um grande papel. Só que estava relacionado ao sindicato, e não podia governar o país. O relacionamento sindical lutava por aqueles que pagavam menos, e louvavam aqueles que davam mais, mas não podia tomar parte ativa na política, e muito menos se transformar em um partido político. Então, imediatamente após, houve dificuldades e o comunismo retornou, mas logo acabou pois, no entanto, não era comunismo. E etc.. Hoje, infelizmente, aflora da gente, segundo minha visão, sempre o pior - que é o chamado nacionalismo. Encerramo-nos em nossa caldeira, cozinhando, odiando uns aos outros e a si mesmos e não se fiando na realidade, assim como é no resto do mundo. O mundo não existe para nós, só alguns contam com ele.

Piotrowicz: Como disto tudo pode surgir uma boa mudança?

WAJDA: Bem, um momento, esta é uma boa mudança para pior. Há que se ver isto claramente. Isto, entre aspas, mudança boa, traz à tona um lado, mas não o lado maior. Apenas que as forças no Parlamento se organizaram e perderam a voz. E que, na Polônia, há uma tendência para o nacionalismo elevado ao extremo. E sobre o fato de que nas ruas de Varsóvia, ocorre uma grande manifestação, de duzentos e quarenta mil pessoas, algo que nunca aconteceu, e logo a seguir ouvimos na TV, que foram apenas quarenta mil. A televisão é claramente "nacional", ou seja, pertencente a um grupo político, e com a rádio, também ocorre o mesmo.  Isto não é assim, que só polacos acreditam em diferentes coisas que anteriormente foram repetidamente feitas sob pressão. Os políticos do mundo sabem muito bem como fazer essas coisas.

Piotrowicz: Como o senhor percebe o papel do Comitê para a Defesa da Democracia?

WAJDA: Como uma chance para a Polônia, desde que sob condições, contudo, as manifestações de rua se transformem em uma organização que tenha chance de virar um partido político. Na minha opinião, precisa-se fazer tudo que seja possível, de modo como o ocorrido, mas que resista e não seja estéril e que não se resuma a se manifestar apenas para atender a consciência do remorso. "Eu estava na manifestação, o que mais posso fazer ...". Precisamos ser eficazes.
E até agora minha maior preocupação é que estamos sendo bem sucedidos. Estou contente que em nossa defesa se manifeste a Europa. Nós somos parte dela, e nossos homens, sentam-se entre aqueles que decidem sobre as questões europeias. Poder também agradecer enlouquecidas ideias nacionalistas e que seja encontrada, num futuro próximo não tão distante, uma resistência eficaz.

Piotrowicz: E sobre o futuro do cinema? Com que cores o desenha?

WAJDA: Difícil responder a essa pergunta ... Qual era a força do cinema? Comunidade. Sentamos no cinema, assistimos o mesmo filme, aqui rimos, ali choramos, em algum outro lugar, dizem "ah!".
Deixamos a sessão e estamos convictos que os outros pensam como nós. E quando vemos os mesmos filmes na TV em casa, com a família, ele já está pior. Alguém se cansa, alguém sai e alguém entra, porque sabe que neste lugar há algo engraçado. Apesar disso, alguma coisa de comunidade ali permaneceu. Dali instantes, veremos o mesmo filme,  que já assistimos, agora no telefone e isto já é a completa solidão. O cinema se transformou em um confessionário desprovido do espetacular.
Que batalhas aqui podem ser vistas, como eventos? Estas são apenas algumas palavras e pequenos rostos. Eu não vejo o cinema como espetáculo, e ainda assim é preciso muito para ser um espetáculo. O que me conforta e mantém vivo ... é que o público volta aos cinemas. Temos uma grande afluência e a maioria da plateia está assistindo filmes polacos. Portanto, há uma tela que necessita ouvir a língua polaca, conversa com atores polacos e que falam sobre nossos problemas, independentemente de se tratar de política ou moral. O cinema pode mostrar a realidade em vários aspectos.

Piotrowicz: No seu mais próximo filme, "Powidoki” (Imagens Residuais), o senhor vai contar a história do pintor Strzemiński.

WAJDA: Não tudo, porque a ação tem lugar entre 1948 e 1952 e mostra os últimos anos da vida de um artista muito especial que, em Łódź (pronuncia-se uúdji) fundou o segundo da Europa e terceiro no mundo, Museu de Arte Moderna.
Concentrei-me no momento mais difícil dele, quando estava, com toda veemência, entrando na Polônia, o realismo socialista soviético e ele confrontou-se com este realismo social, não só como pintor, mas também como educador. Vemos na sequência, como sua presença foi apagada e liquidada. É muito difícil para mim filmar, mas muito importante.

Piotrowicz: E o senhor já pensa no próximo?

WAJDA: Ao longo do próximo, pergunte-me, mas eu não digo ainda, o que virá.


Assista o que disseram outros diretores e o povo nas ruas:


Fonte: Onet.pl
Texto: Paweł Piotrowicz
Jornalista da área de música e filme

Tradução: Ulisses iarochinski
Postar um comentário